Um dia na vida dum intérprete de conferência

Peça (curtíssima) em 3 actos

PRIMEIRO ACTO

  • Regra geral o dia começa na véspera quando se ultimam os preparativos e se reúne o necessário para a manhã seguinte ou, se se trabalha fora, ao chegar ao hotel da conferência, saber dos colegas e estudar os últimos documentos disponíveis. Não esquecer de pôr o despertador (nem sempre os dispositivos de hotel funcionam).
  • Ao acordar, espreguiçar à vontade e tomar um bom duche. Perfume ou aftershave com moderação, vai estar a trabalhar num espaço muito fechado. Descer para o pequeno-almoço. É sempre um alívio ver que os colegas também chegaram.
  • Se a conferência é fora do seu local de residência ou do hotel, reverificar que não falta nada: contrato, planta da cidade, papel, canetas e a documentação. Se não conhecer a cidade, partir folgado.
  • Comprar um jornal de caminho - a maior parte dos intérpretes é viciada em notícias. Nunca se sabe, os delegados podem sempre lembrar-se de referir uma notícia do dia.
  • Já no local de trabalho, localisar as cabinas, cumprimentar os colegas e apresentar-se ao técnico.
  • Certificar-se que sabe trabalhar com o equipamento: como ligar e desligar o microfone, o botão da tosse, o "relay". Descobrir um atalho discreto para a casa de banho.
  • Chegou a altura da concentração. Por trás das palavras está o que interessa....
  • Descontrair-se, respirar fundo, vai começar.....

SEGUNDO ACTO

  • Hora do almoço. Agradecer à cabina inglesa o excelente "relay" de alemão. Aproveitar para se distanciar dos trabalhos. Alguns gostam de almoçar com colegas, outros preferem ficar sós e embrenhar-se em leitura.
  • Respirar ar puro e esticar as pernas.
  • É uma boa ocasião para esclarecer dúvidas  da reunião com os colegas. É um trabalho de equipa. Se possível, verificar se chegou correio (email) ou se há mensagens.

TERCEIRO ACTO

  • São horas de recomeçar. O primeiro orador da tarde merece toda a nossa compaixão: depois do almoço a plateia está menos atenta. É a "hora morta" na gíria das conferências.
  • Ouvir, concentrar-se, pensar e falar. Enquanto se fala, continuar a ouvir, a concentrar-se e a pensar. É um desafio intelectual em contínuo.
  • Fim da conferência.
  • Arrumar as suas coisas e a cabina.
  • Despedir-se dos colegas, agradecer ao técnico e ao colega que o "recrutou".
  • Chegar a casa.
  • Um pouco de silêncio para "limpar" a cabeça.
  • Vai viajar, tem de fazer a mala, mas que tempo faz no sítio para onde vai? Frio, calor? Desta vez não esquecer nem despertador nem agenda.
  • Conferir o bilhete e as horas do voo, calcular tempos e pedir um táxi.
  • Certificar-se que tem toda a documentação. E as chaves, o livro, o portátil, etc.. Deixar um número de contacto.

Epílogo 

  • Então e de que é que falaram hoje na tua reunião?
  • Já sabes que não te posso contar.
  • Porquê, é algum segredo?
  • Bem, era uma reunião privada, com oradores e para convidados. Só diz respeito a eles, a mais ninguém.
  • Ah...E quem é que lá estava?
  • Pois.... e o jantarinho hoje é o quê?

Recommended citation format:
VEGA Network. "Um dia na vida dum intérprete de conferência". aiic.net January 25, 2005. Accessed January 17, 2018. <http://aiic.net/p/2024>.



There are no comments to display