Resolução sobre a interpretação a partir do finlandês no parlamento europeu

Permanentes  Intérpretes Auxiliares de Sessão (I.A.S.)

Os intérpretes permanentes do Parlamento Europeu e os seus colegas I.A.S. reunidos em Assembleia Geral Conjunta a 24 de Outubro de 2001,

- tendo em conta o Art. 12° do Tratado que institui a Comunidade Europeia e o princípio de igualdade de todas as línguas de trabalho da União Europeia;

- tendo em conta o relatório intitulado "Preparar o Parlamento Europeu para a União Europeia Alargada" (PE 305.269/BUR/fin), adoptado pela Mesa a 3 de Setembro de 2001;

- tendo em conta as decisões tomadas no âmbito desse relatório sobre o futuro do multilinguismo na nossa Instituição;

- tendo em conta a política oficial de formação profissional do Parlamento Europeu -com o seu objectivo declarado de proporcionar a todo o seu pessoal uma evolução na carreira através de formação - e a importância da aplicação dessa política de uma forma não discriminatória em todos os serviços;

- tendo em conta a nota da A.I.I.C. de 10 de Setembro de 2001, intitulada "Gestão do multilinguismo no Parlamento Europeu depois do Alargamento – A opinião dos peritos";

- tendo em conta os princípios gerais do direito comunitário, em particular o princípio de não-discriminação, aplicável também aos funcionários europeus, que não devem ser discriminados por razões de língua e nacionalidade;

  1. considerando que os princípios do multilinguismo e da igualdade entre as línguas foram reafirmados no relatório Podestà;
  2. considerando que a violação sistemática da regra de duas cabinas pivot, no caso do finlandês, é uma discriminação de certos funcionários europeus com base na língua;
  3. considerando que, se todos os recursos disponíveis fossem devidamente utilizados, seria possível, já neste momento, cobrir metade das reuniões (ou mais) com duas cabinas pivot;
  4. considerando que o recurso ao retour (interpretação bi-activa) será muitas vezes inevitável, depois dos alargamentos, como medida transitória;
  5. considerando que a interpretação em retour não pode ser um método de trabalho viável, a longo prazo, no Parlamento Europeu;
  6. considerando que as dificuldades inerentes ao actual sistema de interpretação a partir do finlandês demonstram que a aplicação generalizada de um modelo de cabina pivot única é contraproducente;
  1. insistem que seja respeitado escrupulosamente, a partir de 31 de Março de 2002, o princípio geral de duas cabinas pivot para todas as línguas, inclusivé o finlandês; ou seja, deve haver duas línguas pivot em todas as reuniões para as quais esteja prevista a interpretação a partir do finlandês;
  2. consideram que a interpretação bi-activa só deveria ser utilizada como solução temporária;
  3. solicitam à Direcção que tome imediatamente medidas que levem ao abandono do retour a partir do finlandês;
  4. insistem na necessidade de se conceber uma política de formação que permita a realização dos objectivos acima referidos;
  5. encarregam o Presidente da Assembleia Geral dos intérpretes permanentes e a Delegaçao A.I.I.C. de transmitir esta resolução à Directora da Interpretação, ao Director-Geral da DG VI, ao Secretário-Geral do Parlamento, à Presidente do Parlamento, à Mesa do Parlamento, ao Presidente-em-exercício do Colégio de Questores, aos Presidentes e Secretários-Gerais dos Grupos Políticos, ao Provedor de Justiça Europeu, ao Comité do Pessoal e à Delegação dos Tradutores do Parlamento Europeu.


Recommended citation format:
AIIC. "Resolução sobre a interpretação a partir do finlandês no parlamento europeu". aiic.net December 8, 2001. Accessed March 20, 2019. <http://aiic.net/p/615>.


Message board

Comments 2

The most recent comments are on top

Hazel

   

What does silloituspaikka mean in finnish???

Total likes: 0 0 | 0

Made Sultson

   

Il me semble - je peux me tromper - que la pensee qui sous-tend cette declaration est une surprise a la charniere de deux mondes: langues indoeuropeennes d'une part, auxquelles le Parlement est habitue, et le finnois d'autre part qui a une structure tellement differente.

Ma contribution, comme vous le comprenez facilement, est inspiree par le fait que je suis estonienne et le finnois est une langue parente. Etant interprete, je comprends mieux que quiconque les difficultes de rapprochement des "ensembles mathematiques" si eloignes. Je pense que les interpretes, ayant a leur actif le japonais (par exemple), nous comprendraient mieux.

Nous sommes tres eloignes du berceau fatalement partiellement latin des autres langues pratiquees en Europe. Sans connaitre ce fait, on peut, en effet, ne pas comprendre certaines tournures utilisees par les finnois (ou les estoniens).

Meilleures salutations,

Made Sultson

Total likes: 0 0 | 0